Páginas

GOVERNO DO MARANHÃO

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

PRESOS DE PEDRINHAS USAVAM CELULAR PARA MANTER CONTATO COM SINDICALISTAS

INFORMAÇÃO É DA SECRETARIA DE JUSTIÇA E ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA.
APARELHO FOI APREENDIDO APÓS REVISTA NO CENTRO DE DETENÇÃO PROVISÓRIA.

Do G1 MA

Ocorrência de apreensão em revista de Pedrinhas (Foto: Reprodução/Documento)Ocorrência de apreensão em revista de Pedrinhas
(Foto: Reprodução/Documento)
Um celular estava sendo usado para que presos do Centro de Detenção Provisória (CDP) do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, mantivessem contato com representantes do Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Maranhão (Sindspem-MA), segundo ocorrência n° 009/2014 da Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária do Maranhão (Sejap).
De acordo com a ocorrência, registrada pela direção do presídio, o celular foi encontrado sob posse do detento, José Jardersom Sá Matias. São suspeitos de manter contato com o preso a diretora do Sindspem-MA, Liana Furtado, e o ex-diretor de Pedrinhas, Raimundo Fonseca.
Segundo o secretário Sebastião Uchôa, Liana Furtado é esposa de um ex-direitor do CDP e já teria ligado para algumas rádios locais dando informações equivocadas de mortes, fugas e motins nos presídios. O marido responde a processo na Corregedoria do Sistema Penitenciário.
Liana nega qualquer envolvimento com o caso. "Dou meu celular para o secretário a hora que ele quiser, para que ele mande fazer uma investigação, quebre o sigilo do meu celular, porque nunca recebi ligações desse preso", garantiu.
O secretário suspeita de uma articulação política para promover terror na penitenciária. "Uma pessoa que trabalhava no Presídio São Luís ouviu conversas de um agente penitenciário dando orientações de como os presos deveriam se comportar para criar terrorismos no sistema penitenciario", contou Sebastião Uchôa.
O aparelho e mais três chips, assim como o registro da ocorrência, foram encaminhados para que a Polícia Cilvil e a Corregedoria do Sistema Penitenciário instaurem inquérito policial e sindicância, respectivamente.

Um comentário :