Páginas

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

quarta-feira, 10 de julho de 2019

PADRASTO MATA ENTEADA DE 1 ANO E 10 MESSES EM TURILÂNDIA POR NÃO GOSTAR DO PAI DA CRIANÇA

CRUELDADE: ELE CONFESSOU TER MATADO POR ESGANADURA ( FORMA DE ASFIXIA PELA CONSTRIÇÃO DO PESCOÇO COM AS MÃOS) ENTEADA DE 1 ANO E 10 MESES DE IDADE
                               
Foi preso nesta terça-feira (09) na cidade de Turilândia, a 160 quilômetros da capital, um homem identificado como Ernildo Sousa Silva, de 18 anos. Ele confessou ter matado por esganadura a enteada de 1 ano e 10 meses de idade.
A mãe da menina e o padrasto teriam levado a criança para um hospital da cidade alegando que ela teria caído da rede onde estava dormindo e que acabou batendo a cabeça. Entretanto, o médico plantonista constatou que o corpo apresentava marcas no pescoço compatíveis com sinais de esganadura e acionou o Conselho Tutelar e a Polícia Militar.
O corpo de Kethelyn Rodrigues foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para passar por exame cadavérico e o casal foi conduzido para a Delegacia de Santa Helena, na Baixada Maranhense, para prestar esclarecimentos. Laudo pericial apontou a causa da morte como asfixia por esganadura e, a princípio, ambos negaram qualquer envolvimento no caso.
Diante das evidências, o padrasto da criança acabou por confessar o crime durante interrogatório ao delegado regional de Pinheiro, Oséias Cavalcanti. Ele informou que não gosta do pai da menina e que tinha ciúmes da companheira.
Segundo a mãe da menina, uma amiga dela teria comentado como ela parecia com o pai. Ao ouvir, Ernildo travou discussão com a companheira e, durante visita da jovem à casa da mãe, aproveitou que estava sozinho com o bebê e a matou enquanto dormia. Quando voltou para casa, a mãe estranhou o fato da garota estar dormindo por muito tempo, ocasião em que o suspeito alegou que a criança havia caído da rede.
Autuado em flagrante por feminicídio qualificado pelo motivo fútil, pelo emprego de asfixia e pela impossibilidade de defesa da vítima, Ernildo Sousa pode pegar até 30 anos de reclusão. Ele foi conduzido para o Presídio Regional de Pinheiro, onde  ficará à disposição da Justiça. A mãe prestou depoimento e foi liberada. As investigações continuam, no sentido de esclarecer os fatos.

MA 10

Nenhum comentário :

Postar um comentário