Páginas

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

VELÓRIO É INTERROMPIDO NO MARANHÃO APÓS MORTO SE MEXER NO CAIXÃO

AO DESCONFIAR QUE O HOMEM AINDA TINHA SINAIS VITAIS, OS PARENTES CHAMARAM UMA AMBULÂNCIA QUE LEVOU O CORPO ATÉ O HOSPITAL
                           
O velório de um homem identificado como Cocino, precisou ser interrompido depois que ele se mexeu dentro do caixão. O caso aconteceu neste domingo (24) em Paraibano (MA) e assustou a todos que estavam no velório, segundo relatos, algumas das pessoas presentes teriam saído correndo.

Testemunhas garantem também que o corpo transpirou e se mexeu dentro do caixão. Ao desconfiar que o homem ainda tinha sinais vitais, os parentes chamaram uma ambulância que levou o corpo até o hospital. Porém, chegando a unidade de saúde os profissionais constataram que ele estava mesmo sem vida. A família, contudo, não ficou convencida, mas levou o corpo novamente para o velório. Ele foi morto a facadas.

É possível um cadáver se mexer?

Sim! Braços e pernas podem se mover durante a rigidez cadavérica. Esse processo começa entre uma e duas horas após a morte e acaba em 24 horas.
Quando estamos vivos, tanto a contração como o relaxamento dos músculos gastam moléculas armazenadoras de energia, conhecidas pela sigla ATP. Mas, quando morremos e as reservas de ATP se esgotam, os filamentos musculares de contração ficam permanentemente unidos. É nesse instante que pode haver uma movimentação brusca dos membros, se eles estiverem estendidos. Esse movimento tende a ser sempre em direção ao centro do corpo e pode ser influenciado por fatores como a temperatura ambiente e até a causa da morte.
                       
Além disso, cadáveres também podem “arrotar” e “soltar pum”, pois a proliferação de bactérias no corpo resulta na formação de gases. Outra explicação para movimentos “cadavéricos” é a catalepsia, problema do sistema nervoso que diminui drasticamente os batimentos cardíacos, dando a ilusão de que a pessoa morreu.

VEJA O VÍDEO:


Blog Fuxico do Sertão 

Nenhum comentário :

Postar um comentário