Páginas

GOVERNO DO MARANHÃO

sábado, 28 de dezembro de 2013

‘PEDÁGIO’ EM ÁREA INDÍGENA GERA PROTESTOS EM COMUNIDADE NO SUL DO AMAZONAS

REVOLTA EM  ÁREA INDÍGENA NA TRANSAMAZÔNICA 

Local onde era feito o 'Pedágio' foi ateado fogo - fotos: Raolin Magalhões
Um giro pelo país.

Após o clima de tensão em Humaitá, nos últimos dias, fazendeiros e madeiros da comunidade de Santo Antônio de Matupi, no município de Manicoré, Sul do Amazonas, (a 332 quilômetros de Manaus) também se revoltaram.

A razão da revolta é uma "barreira de pedágio" que indígenas da reserva Tenharin, próxima ao quilômetro 130 da BR-230 (Transamazônica), supostamente cobram para as pessoas que pessoas por lá. 

Segundo o subcomandante do Comando da Policiamento do Interior da Polícia Militar do Amazonas, tenente-coronel Everton Cruz, 30 policiais que estavam em Humaitá foram deslocados para a área do conflito, para que não haja mais confusão.

Ele informou também que não houve feridos na manifestação ocorrida nesta sexta-feira (27) pela manhã, e que somente as barreiras colocadas pelos indígenas foram derrubadas pelos fazendeiros. Imagens do momento do conflito, no entanto, mostram as casas de apoio à cobrança do pedágio sendo incendiadas pela população. 
Toda essa revolta no Sul do Estado começou após o desaparecimento de Aldeney Ribeiro, funcionário da Eletrobrás Amazonas Energia, do professor de Apuí, Stef Pinheiro, e do representante comercial Luciano Freire, vistos pela última vez na área da reserva indígena, dia 16 de dezembro.
Familiares e amigos próximos acusam os índios de tê-los sequestrado, e quem sabe até matado, em retaliação à morte de um cacique da reserva, encontrado dia 2 de dezembro agonizando na estrada.
No último dia 25, mais de cinco mil pessoas participaram, em Humaitá, de um protesto que resultou na depredação e incêndio de prédios de órgãos públicos federais, assim como de veículos e embarcações.

Eles cobram da Polícia Federal e autoridades competentes respostas sobre o que aconteceu com os três homens desaparecidos.
Amazonas em Tempo 

Nenhum comentário :

Postar um comentário