Páginas

GOVERNO DO MARANHÃO

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

JÚRI POPULAR! COMARCA DE SÃO MATEUS DIVULGA PAUTA DE JULGAMENTOS

AS DUAS SESSÕES DE JULGAMENTO DO JURI POPULAR, HOJE E AMANHÃ , 27 E 28,  SERÃO PRESIDIDAS PELO JUIZ TITULAR MARCO AURÉLIO BARRÊTO MARQUES.

A comarca de São Mateus realiza duas sessões de julgamento do Juri Popular, nesta terça-feira e quarta-feira, 27 e 28, que serão presididas pelo juiz titular Marco Aurélio Barrêto Marques. Os réus do primeiro júri são Clenilton Mendes e Cleiton Barbosa - acusados de homicídio e tentativa de homicídio -; e o segundo julgamento será de Antônio Alves Pereira e Raimundo Alves Pereira, também acusados de homicídio e tentativa de homicídio.

Sobre o primeiro caso, consta na denúncia que, na data de 21 de setembro de 2014, o denunciado Clenilton Mendes de Sousa, na companhia de Cleiton Barbosa da Silva, teria matado a tiros um homem identificado como Antônio José Alves de Sousa. O crime ocorreu no Povoado Caxuxa. O inquérito relata que Clenilton discutiu com Renan Ribeiro, amigo da vítima. Antônio José se aproximou para saber o que estava acontecendo e foi alvejado com um disparo. Os tiros atingiram ainda Renan Ribeiro e outro homem. Clenilton Mendes de Sousa teria afirmado para terceiros ter atirado em vários indivíduos que haviam ofendido sua mãe.

CHACINA - Na sessão designada para o dia 28, os réus Antônio Alves Pereira e Raimundo Alves Pereira são acusados de matar uma pessoa e ferir outras duas, todas da mesma família. O crime aconteceu em 22 de março de 1991, quando os denunciados, armados de espingarda e facão, assassinaram Antônio Almeida da Silva e feriram gravemente Ananias Viana da Silva e Luíza Lopes Almeida. Segundo a denúncia, a chacina teve origem quando a amante do primeiro acusado fugiu de casa para dormir na casa da vítima Ananias, que era vizinho, tendo provocado a ira dos acusados.

Ato contínuo, os acusados foram até a casa das vítimas e lá teriam promovido a chacina, que culminou na morte de Antônio. Os réus ainda feriram gravemente as outras duas vítimas. “Ressalta-se que todos esses processos eram antigos e já estavam amadurecidos quando da edição da Lei nº 11.689/2008. Os demais, tiveram que ser readequados à nova lei, que alterou sensivelmente o Capítulo do Procedimento relativo aos processos da Competência do Tribunal do Júri, o que demandou tempo para finalizar toda a sua instrução e estarem aptos à apreciação pelo júri popular”, explica o magistrado.

O promotor de Justiça Clodomir Bandeira Lima Neto vai atuar na acusação durante os julgamentos. “As Sessões designadas para o início do ano na Comarca de São Mateus do Maranhão renderão bons frutos, visto que buscam, tanto para as partes envolvidas, como também para toda a coletividade São Mateuense e Alto Alegrense, a busca pela Justiça”, avalia o juiz Marco Aurélio Barrêto Marques.

CGJ-MA

Nenhum comentário :

Postar um comentário