Páginas

GOVERNO DO MARANHÃO

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

SUSPEITOS PELA MORTE DO GARIMPEIRO OLHODAGEUNSE CONTINUAM PRESOS NA CAPITAL DO SURINAME

              MORTE DO GARIMPEIRO OLHODAGUENSE AINDA NÃO FOI ESCLARECIDA
                                    

Para a polícia surinamense a   morte do garimpeiro olhodaguense Raimundo Brandão (41 anos), ainda não foi esclarecida, e por conta disso os acusados pela morte do garimpeiro ainda continuam presos por determinação da justiça daquele país. Ainda continuam presos o Ex. patrão identificado por Raimundo e outra garimpeiro que estava junto com o olhodaguense na hora do assassinato, fato ocorrido por volta das 19h:00 dia 18 de julho de 2014, Sassá como era conhecido foi morto após ser alvejado por um disparo de  arma de fogo, uma espingarda calibre 20 o tiro acertou as costas da vitima.

Na mesma noite do crime  a polícia prendeu os dois homens, um irmão da vitima o Sr. José Costa Brandão esteve em Pio XII e descartou a possibilidade do Ex- patrão e do outro garimpeiro terem participação no crime de Raimundo Brandão, de acordo com as declarações de José Costa Brandão seu irmão foi morto vitima de uma máfia formado por brasileiros que aterrorizam os garimpos no Suriname. 

Este  blog está em parceria com o site surinamense SLPMNESW e sempre está atualizando as informações referentes a brasileiros naquele país, e de acordo com as informações  segunda-feira, 18 de agosto, os brasileiros envolvidos em outra caso, no assassinato do garimpeiro Bebeto foram condenados.

Batista C.  foi condenado a seis meses de prisão por fornecer abrigo para Araújo e Paulo, que foram condenados a quinze anos de prisão cada um, pelo assassinato de Bebeto no ano passado.
Um dia antes do assassinato, Bebeto teria discutido e ameaçado matar Araújo e Paulo. Para se defender os acusados teriam planejado a morte de Bebeto, que ao chegarem no fuscão encontraram Bebeto dormindo em sua rede e o mataram a tiros.
Depois de cometer o crime, Araújo e Paulo se esconderam no fuscão do Batista C.  e no dia seguinte, quando os criminosos estavam prontos para fugir, foram surpreendidos com a chegada dos polícias.
Segundo o advogado dos acusados, não se sabe dizer quem foi que disparou o tiro fatal em Bebeto e se dependesse do Ministério Público, ambos teriam sido sentenciado a vinte anos de prisão.



Nenhum comentário :

Postar um comentário